PC ~ On

Montagem e Suporte de Computador

Configurações

 

 

Configuração do Setup, Autoexec.bat e Config.sys

 

O setup é um programa de configuração que todo micro tem e que está gravado dentro da memória ROM do micro (que, por sua vez, está localizada na placa-mãe). Normalmente para chamarmos esse programa pressionamos a tecla Del durante a contagem de memória.

 

A configuração do micro é armazenada dentro de uma memória especial, chamada memória de configuração. Como essa memória é construída com a tecnologia CMOS, muitas pessoas chamam a memória de configuração de memória CMOS. Como esta memória é do tipo RAM, seus dados são apagados quando o micro é desligado. Para que isso não aconteça, há uma bateria que fica alimentando essa memória, para que os dados nela armazenados não sejam perdidos quando o micro é desligado. Essa bateria também é responsável por alimentar o circuito de relógio de tempo real do micro (RTC, Real Time Clock), pelo mesmo motivo. Todo micro tem esse relógio e ele é o responsável por manter a data e a hora atualizadas.

 

No setup nós alteramos parâmetros que são armazenados na memória de configuração, como mostra a figura. Há uma confusão generalizada a respeito do funcionamento do setup.

 

Como ele é gravado dentro da memória ROM do micro, muita gente pensa que setup e BIOS são sinônimos, o que não é verdade. Dentro da memória ROM do micro há três programas distintos armazenados: BIOS (Basic Input Output System, Sistema Básico de Entrada e Saída), que é responsável por "ensinar" ao processador da máquina a operar com dispositivos básicos, como a unidade de disquete, o disco rígido e o vídeo em modo texto;

 

POST (Power On Self Test, Autoteste), que é o programa responsável pelo autoteste que é executado toda a vez em que ligamos o micro (contagem de memória, por exemplo); e setup (configuração), que é o programa responsável por alterar os parâmetros armazenados na memória de configuração (CMOS).

 

Outra confusão comum é achar que as configuração alteradas no setup são armazenadas no BIOS. Como o BIOS é uma memória do tipo ROM, ela não permite que seus dados sejam alterados. Todas as informações manipuladas e alteradas no setup são armazenadas única e exclusivamente na memória de configuração (CMOS) do micro.

 

Dessa forma, quando chamamos o setup não "entramos" no BIOS nem muito menos alteramos os valores do BIOS, como muitas pessoas dizem erroneamente. Na verdade entramos no setup e alteramos os valores da memória de configuração.

 

Para entrar no setup você deve pressionar a tecla Del durante a contagem de memória. Em alguns micros "de marca" (como os da IBM), a tecla é outra e você deve prestar atenção às instruções que aparecem na tela do micro durante a contagem de memória para poder ter acesso ao setup.

 

Dentro do setup, a navegação é normalmente feita utilizando-se as setas de movimentação do teclado, a tecla Enter para selecionar um menu, Esc para retornar ao menu anterior e as teclas Page Up e Page Down para modificar uma opção existente.

 

É muito importante notar que as alterações feitas enquanto você está dentro do setup não são gravadas automaticamente dentro da memória de configuração (CMOS). Por isso há a necessidade de se gravar as alterações antes de sair do setup, através da opção Save and Exit.

 

Ao entrar no setup você verá um menu principal com opções para a entrada em outros menus de configuração. Essas opções são basicamente as seguintes (não se preocupe pois iremos estudar detalhadamente cada uma delas no futuro):

 

CPU Setup: Em micros onde a placa-mãe não tem jumpers de configuração você encontrará esse menu, que serve para você configurar o processador: multiplicação de clock, clock externo, etc.

 

Standard CMOS Setup: Setup básico. Nesse menu configuramos opções básicas do micro, como o tipo de unidade de disquete, a data e hora e os parâmetros do disco rígido (os parâmetros do disco rígido podem ser configurados automaticamente através de uma opção chamada Hdd Auto Detection).

 

Advanced CMOS Setup (ou BIOS Features Setup): Setup avançado. Aqui você encontrará algumas opções de configuração avançada, que em sua maioria inclui opções de customização do seu micro e que podem ser alteradas de acordo com o seu gosto pessoal.

 

Também há aqui algumas opções que podem aumentar o desempenho do micro:

 

Advanced Chipset Setup: Setup avançado do chipset. São opções para a configuração do chipset da placa-mãe. Essas opções incluem configurações que normalmente envolvem o acesso à memória RAM do micro, como wait states. Se você fizer alguma configuração errada nesse menu o micro pode travar. Por isso, não mexa nas opções desse menu a não ser que você tenha certeza do que está fazendo.

 

PCI/Plug and Play Setup: Configura os recursos alocados por dispositivos instalados no micro, tais como placas de som e fax/modems.

 

Power Management Setup: Neste menu você faz toda a configuração do gerenciamento de consumo elétrico, a fim de que o micro economize energia.

 

Peripheral Setup (ou Integrated Peripherals): Configura os dispositivos integrados à placamãe

(on-board).

 

Auto Configuration With BIOS Defaults: Coloca os valores de fábrica em todas as opções do setup.

 

Auto Configuration With Power-on Defaults: Coloca os valores contidos na memória CMOS nas opções do setup. Em outras palavras, configura o setup da mesma maneira que estava antes de você entrar nele.

 

Change Password: Configura uma senha que será pedida quando você ligar o micro (ou tentar entrar no setup, dependendo da configuração efetuada no setup avançado).

 

Auto Detect Hard Disk (ou HDD Auto Detect ou IDE Setup): Lê os parâmetros dos discos rígidos IDE do micro e configura automaticamente o setup avançado com os valores lidos.

 

Hard Disk Utility (ou HDD Low Level Format): Formata o disco rígido em baixo nível (formatação física). Essa opção não deve nunca ser usada, sob a pena de você danificar permanentemente o seu disco rígido.

 

Write to CMOS and Exit: Salva as alterações efetuadas na memória de configuração (CMOS) e sai do setup.

 

Do Not Write to CMOS and Exit: Sai do setup sem gravar as alterações.

 

O setup básico não apresenta dificuldades em sua configuração. Nele você deve configurar:

 

Data e hora do sistema, através das opções date e time, respectivamente.

 

Tipos de unidades de disquete instaladas no micro. Você deve configurar que tipo (2.88 MB, 1.44 MB, 1.2 MB, 720 KB ou 360 KB) são as unidades de disquete A e B de seu micro. Um erro muito comum cometido por iniciantes é achar que para trocar a unidade A com a B (isto é, a atual unidade A passar a se chamar B e vice-versa) basta mudar aqui a configuração. Isso não é verdade. Para trocar a unidade A com a B é necessário abrir o micro e trocar a posição das unidades no flat-cable que liga as unidades à controladora (normalmente na placa-mãe). A unidade instalada na ponta do cabo sempre será a A e a unidade instalada no meio, sempre será a unidade B. Como atualmente a maioria dos micros só tem uma unidade (A, de 1.44 MB), na maioria das vezes você deve configurar a unidade A como sendo de 1.44 MB e a unidade B como "não instalada" (Not Installed).

 

Geometria do disco rígido. Essa é a configuração mais difícil do setup básico mas, para a nossa sorte, há uma opção no menu principal do setup – chamada Hdd Auto Detection, IDE Setup ou similar, como vimos na semana passada – que lê os dados do disco rígido e configura automaticamente a geometria do disco rígido. Portanto, não há com o que se preocupar.

 

Tipo de placa de vídeo. Configure como EGA/VGA. Algumas pessoas se confundem aqui.

 

Essa opção configura o tipo de placa de vídeo instalada dentro do micro e não o tipo de monitor de vídeo. Existe uma opção chamada "Monochrome", que é para micros que tenham uma placa de vídeo MDA instalada. Se você tem um micro com placa de vídeo VGA ou Super VGA com um monitor monocromático instalado, a opção correta é EGA/VGA (que configura a placa de vídeo que está instalada no micro) e não Monochrome (já que a sua placa de vídeo não é MDA).

 

E só em alguns setups podem aparecer algumas opções a mais:

 

Floppy Mode 3 Support: Existe uma unidade de disquete japonesa que é de 3 1/2" e 1.2 MB (em vez de 1.44 MB) e, para que o micro a reconheça, é necessário habilitar esta opção.

 

Como você provavelmente não tem esse tipo de unidade em seu micro, deixe essa opção desabilitada (Disabled).

 

Halt On: Essa opção informa ao micro em que situação de erro ele deverá parar durante o autoteste inicial da máquina (POST). A opção default é "All Errors", ou seja, em qualquer situação de erro detectada durante o autoteste o micro irá parar e uma mensagem de erro será apresentada. Já a opção "All but keyboard" fará o micro parar em todos os tipos de erro, menos em erros de teclado. E assim por diante de acordo com as demais opções disponíveis. Nossa recomendação é que você configure essa opção em "All Errors".

 

Daylight Saving: Essa opção não é muito comum e provavelmente você só encontrará em micros muito antigos. Essa opção habilita o ajuste automático do horário de verão (que em inglês chama-se daylight saving). Acontece que esse ajuste baseia-se nos EUA, onde o verão ocorre durante o nosso inverno e, portanto, essa opção deve permanecer desabilitada (Disabled).

 

É claro que em alguns micros você poderá encontrar outras informações no setup básico, como a quantidade de memória RAM instalada no micro. Mas as opções que você encontrará em todos os setups são essas que apresentamos hoje.

 

Como o próprio nome indica, no setup avançado (Advanced CMOS Setup) existem opções avançadas de configuração do micro. Entretanto, a maioria das opções do setup avançado são ajustadas de acordo com o gosto do usuário, como você perceberá. A seguir iremos apresentar as opções mais comuns do setup avançado, indicando a nossa recomendação de configuração, muito embora você não precise seguir à risca nossas recomendações já que, como dissemos, diversas opções são configuradas de acordo com o gosto do usuário.

 

É importante notar que o setup do seu micro pode não ter todas as opções aqui descritas, da mesma forma que podem existir opções que não apresentamos aqui. Lembre-se que para habilitar uma opção, você deverá configurá-la como "enabled" e, para desabilitar, como "disabled".

 

Typematic Rate Programming: Você pode configurar a taxa de repetição de teclas do teclado habilitando essa opção, isto é, ao manter uma tecla pressionada, ela começará a ser repetida automaticamente. A configuração dessa taxa é feita através das duas opções a seguir.

 

Typematic Rate Delay: Configura o tempo que o micro demorará para começar a repetir uma tecla caso você mantenha ela pressionada. O valor configurado nessa opção é dado em milissegundos.

 

Typematic Rate: Configura a quantidade de caracteres por segundo que a repetição automática irá gerar.

 

Quick Power On Self Test: Em BIOS Award, o teste de memória é executado três vezes.

 

Com essa opção habilitada, o teste é feito somente uma vez, tornando o processo de boot mais rápido.

 

Above 1 MB Memory Test: Habilite essa opção para que o micro teste toda a memória RAM durante a contagem de memória. Caso essa opção não seja habilitada, o micro só irá testar o primeiro 1 MB de memória, o que não é bom.

 

Memory Test Tick Sound: Habilita o barulho ("tick") feito durante a contagem de memória.

 

O ajuste fica a gosto pessoal.

 

Hit <del> Message Display: Com essa opção habilitada, a mensagem "Hit <del> To Run Setup" é mostrada durante a contagem de memória. Nossa recomendação é que essa opção permaneça habilitada, muito embora você continue podendo entrar no setup normalmente mesmo que essa mensagem não seja apresentada durante a contagem de memória.

 

Wait For <F1> If Any Error: Similarmente à opção anterior, habilita a mensagem "Press <F1> To Resume" caso ocorra algum erro durante o autoteste (POST).

Recomendamos habilitar essa opção.

 

System Boot Up Num Lock: Configura o estado da tecla Num Lock ao ligar o micro. Nossa sugestão é habilitar essa opção.

 

Floppy Drive Seek at Boot: Faz um teste, após a contagem de memória, para ver se as unidades de disquete configuradas no setup básico realmente estão instaladas. Nossa recomendação é que você desabilite essa opção para que o processo de boot torne-se mais rápido.

 

System Boot Up Sequence: Configura a seqüência de boot, isto é, de qual unidade o boot será dado. Nossa recomendação é que você configure essa opção como "C Only" (ou "C, A" caso essa opção não exista). Isso fará com que o boot seja mais rápido (já que o micro irá ler diretamente o sistema operacional do disco rígido) e evitará que o seu micro seja contaminado por vírus de boot (já que o boot através de disquete ficará desabilitado).

 

 

Bootsector Virus Protection (ou Anti-virus ou Virus Warning): Tome cuidado, pois o nome dessa opção induz a um erro. Com essa opção habilitada, o micro não irá permitir que nenhum programa atualize o setor de boot do disco rígido, tarefa que algum vírus pode tentar efetuar. O grande problema é que alguns utilitários de disco (como o Norton Utilities) e o próprio programa de instalação do sistema operacional alteram dados do setor de boot, fazendo com que o micro acuse falsamente um erro quando essa opção está habilitada.

 

Aliás, é por isso que muitos técnicos não conseguem instalar o sistema operacional quando essa opção está habilitada. Por isso, nossa recomendação é que você mantenha essa opção desabilitada. Se você quer se proteger contra vírus, use um bom programa anti-vírus.

 

Configurando o Autoexec.bat

 

O Autoexec.bat é um arquivo em lote (extensão BAT). Isto significa que todos os comandos nele existentes podem ser executados diretamente no prompt do MS-DOS, ao contrário do que ocorre no Config.sys, que possui comandos próprios que só lá existem. 

 

Sua edição pode ser feita através do comando EDIT C:\Autoexec.bat. Da mesma forma que ocorre no Config.sys, através do Autoexec.bat carregamos drivers, comandos e programas residentes em memória. Devemos tentar manter o arquivo Autoexec.bat o mais organizado possível. Vamos ver algumas dicas de como deixar o Autoexec.bat de seu micro "no ponto":

 

Comece o Autoexec.bat pelo comando "@ECHO OFF". Isto fará com que menos mensagens sejam apresentadas na tela, dando um melhor aspecto visual à inicialização do seu micro.

 

Acrescente o caminho completo e a extensão do arquivo em todos os comandos, drivers e programas residentes em memória que são carregados através do Autoexec.bat. Veja em nosso exemplo que carregamos o comando SHARE.EXE com C:\DOS\SHARE.EXE em vez de simplesmente "SHARE". Em outras palavras, carregue o arquivo informando ao sistema o seu diretório e extensão. Em vez de carregar um driver de mouse simplesmente adicionando o comando "MOUSE" no AUTOEXEC, altere para C:\MOUSE\MOUSE.COM, por exemplo. É claro que este é um exemplo hipotético e você deverá alterar o seu micro de acordo com os arquivos existente.

 

Para todos os arquivos que serão carregados em memória, acrescente o comando LOADHIGH ou simplesmente LH ao início da linha. Dê uma olhada em nosso exemplo.

 

Agrupe os comandos "SET" no início do AUTOEXEC, abaixo da linha "@ECHO OFF" (veja figura). Uma dica importante: a linha SET TEMP= deve estar indicando um diretório temporário, como C:\WINDOWS\TEMP. Isto fará com que arquivos temporários sejam criados e mantidos em um diretório-rascunho, onde não poderão causar maiores dados.

 

Você poderá, inclusive, apagar o conteúdo deste diretório. Contudo é muito comum encontrarmos esta linha configurada erroneamente, normalmente indicando um diretório onde dados importantes são armazenados - como SET TEMP=C:\DOS - o que não é recomendado. Se este for o seu caso, crie um diretório-rascunho e altere (ou adicione) a linha SET TEMP no Autoexec.bat.

 

O comando PATH é responsável pelo caminho de procura do sistema operacional.

 

Quando um arquivo que você chamou não é encontrado no diretório corrente, o sistema procura nos diretórios apontados pelo comando PATH. Como o caminho de procura é percorrido da esquerda para a direita, você deverá colocar os diretórios mais utilizados à esquerda e os menos utilizados à direita. Se em um determinado micro o diretório C:\WINDOWS é o mais a direita do comando PATH, quando você entrar "win" no prompt do DOS, ele irá percorrer todos os demais diretórios procurando o comando WIN.COM, até encontrá-lo no último indicado no PATH. Em contrapartida, se o diretório C:\WINDOWS fosse o mais a esquerda no comando PATH, a entrada seria quase que imediata, pois o sistema encontraria o comando no primeiro diretório em que fosse procurar.Alguns AUTOEXECs apresentam o comando SET PATH=, o que é a mesma coisa que PATH=. Este comando deve ser, preferencialmente, o último do Autoexec.bat, pois isto tornará sua execução mais rápida.

 

Coloque um comando CLS no final do AUTOEXEC para limpar a tela.

 

Se um dia você precisar criar um Autoexec.bat e não souber o que ele deverá conter, utilize o exemplo da figura.

 

No Autoexec.bat poderemos aproveitar também a idéia de menus do Config.sys. Você pode instruir o Autoexec.bat a executar somente um trecho, de acordo com o menu escolhido no Config.sys.

 

Há muitos usos para esta idéia, como carregar um determinado arquivo que seja necessário somente para um aplicativo muito específico. Damos um exemplo com uma idéia bastante interessante: muita gente coloca o comando "win" no final do Autoexec.bat de modo que o micro entre direto no Windows. Poderemos criar um menu no Config.sys para o usuário escolher se ele vai querer entrar direto no Windows ou se vai querer trabalhar no prompt do DOS.

 

O macete está na criação de uma variável de sistema, chamada %CONFIG%, cujo valor será igual ao nome do menu escolhido dentro do Config.sys.

Suponha o seguinte Config.sys:

 

[menu]

menuitem=windows,Windows 3.11

menuitem=dos,Prompt do MS-DOS 6.2

menudefault=windows,20

[common]

(todos os comandos do CONFIG entrariam aqui)

[windows]

[dos]

 

Fizemos um CONFIG onde todos os comandos estão sob "common" (ou seja, serão sempre executados), e as seções [windows] e [dos] vaziam. Qual a vantagem disto? Ao executar o AUTOEXEC, o sistema terá a tal variável %config% com valor igual ao menu escolhido na inicialização do micro. Bastaria agora alterar o Autoexec.bat de modo que o Windows seja executado automaticamente toda a vez que %config% for igual a "windows". Caso contrário, basta sair para o prompt do DOS.

 

Para isto, o AUTOEXEC ficaria da seguinte forma:

 

(todos os comandos do AUTOEXEC entrariam aqui)

goto %config% :windows win :dos Ou seja, quando %config% for igual a "windows", o AUTOEXEC chama o comando "win". Quando %config% for igual a "dos", o AUTOEXEC "pula" para o final do arquivo, terminando sua execução.

 

Configurando o Config.sys

 

Todo sistema operacional possui um arquivo de configuração no diretório raiz chamado Config.sys. É através deste arquivo que o sistema operacional é configurado em sua forma mais básica.

 

Nos sistemas Windows 95, Windows NT e OS/2, o configuração deste arquivo não é tão problemática, pois raramente necessitam que o usuário altere o seu conteúdo. O mesmo, porém, não ocorre no MS-DOS.

 

Como o MS-DOS é um sistema operacional extremamente rudimentar, ele por si só não conhece periféricos modernos - tais como unidades de cd-rom e placas de som. Você deverá "ensinar" ao sistema como lidar com estes recursos "extras". Este é o papel do driver, um pequeno programa carregado em memória que "ensina" ao sistema como trabalhar com um determinado periférico. No MS-DOS, os drivers são carregados geralmente pelo Config.sys.

 

Eles também podem ser carregados pelo Autoexec.bat, mas iremos ver isto depois, no dia em que falarmos sobre este arquivo. No Config.sys, drivers são carregados através do comando Device= ou Devicehigh=.

 

Além disso, o MS-DOS possui outro grande inconveniente, que deve ter ficado claro para todos que acompanharam a série sobre configuração de memória: ele trabalha em modo real e por isto reconhece somente 640 KB de memória RAM.

 

Outro problema ocorre: cada vez que um driver é carregado em memória, menos memória convencional (a área que o MS-DOS "enxerga") disponível haverá para programas. A solução para isto é fazer com que o driver seja carregado na área de memória acima de 640 KB, chamada de memória superior, fazendo com que a memória convencional não fique muito ocupada. Isto é feito através do comando DEVICEHIGH=.

 

A edição do Config.sys não é tão difícil, basta utilizar o comando EDIT do MS-DOS. No prompt do MS-DOS, entre: EDIT C:\Config.sys.

 

Os comandos existentes no Config.sys são exclusivos. Isto quer dizer que você não pode entrar um comando do Config.sys diretamente no prompt do MS-DOS. Além disso você pode ter um mente que o Config.sys só é lido uma única vez, quando o sistema operacional é carregado. Por este motivo, após qualquer alteração que efetuar você deverá reiniciar o sistema. Ah! Não se esqueça de gravar as alterações que você fizer! Utilize o comando "Salvar" presente no menu "Arquivo" do comando EDIT.

 

Em geral, para que o seu micro fique "no ponto", você deve editar o Config.sys da seguinte forma:

 

Todo Config.sys deve começar pelos comandos

 

DEVICE=C:\DOS\HIMEM.SYS

DEVICE=C:\DOS\EMM386.EXE NOEMS

DOS=HIGH,UMB

 

Se você tiver algum programa que necessite da técnica de memória expandida (joguinhos antigos e sistemas baseados em DBase/Clipper), basta trocar o parâmetro "NOEMS" presente na segunda linha por "RAM".

 

Substitua todos os comandos "DEVICE" por "DEVICEHIGH", menos as linhas que carregam o HIMEM e o EMM386. É importante notar que nem todos os drivers podem ser carregados com DEVICEHIGH - em especial o gerenciador Plug and Play dos novos Kits Multimídia. Para saber que drivers podem ser ou não carregados com DEVICEHIGH, substitua todos os comandos "DEVICE" por "DEVICEHIGH", não se importando com este detalhe. Salve o Config.sys e dê um "reset" no micro. Se ele travar durante o boot, dê um "reset" novamente e pressione a tecla [F8] quando aparecer a mensagem "Iniciando o MSDOS..." na tela. Isto fará com que o Config.sys seja executado passo a passo. Vá confirmando linha por linha do Config.sys. Quando o micro travar, a última linha executada estará impressa na tela. É justamente esta linha que está fazendo o seu micro travar. Basta você dar um "reset", pressionando agora a tecla [F5] quando aparecer a mensagem "Iniciando o MS-DOS...". Edite o Config.sys e substitua o comando "DEVICEHIGH" por "DEVICE" na linha problemática.

Mantenha o seu Config.sys arrumado conforme ilustrado abaixo. Verifique se não há nenhum comando.

 

Caso um dia você precise criar um Config.sys básico mas não saiba como ele deve ser, utilize o exemplo abaixo.

 

device=c:\dos\himem.sys

device=c:\dos\e,,386.exe noems

dos=high,umb

stack=9,256

files=40

buffers=20

country=055,,c:\dos\country.sys

devicehigh=c:\dos\display.sys con=(,850)

devicehigh-c:\windows\ifshlp.sys

 

O MS-DOS 6 permite que você crie um menu de opções de configuração durante o seu boot. Este procedimento é chamado multi-config e é utilizado quando você precisa ter mais de um Config.sys no mesmo micro.

 

Imagine a situação: você tem em seu micro um joguinho que você adora e que necessita da técnica de memória expandida. Logo, como já aprendeu, basta substituir o parâmetro "NOEMS" por "RAM" na linha do EMM386 no Config.sys. Depois que acabou de jogar, você deverá substituir de volta pelo parâmetro "NOEMS", para que os demais programas não acusem qualquer erro. Depois de um tempo você ficará sem paciência para ficar neste troca-troca. A solução pode ser o Multi-Config.

 

Poderíamos, então, criar um Multi-Config que apresente um menu com duas opções: boot normal e boot com memória expandida, que você utilizará quando quiser jogar o tal joguinho.

 

Para este exemplo, o Config.sys do micro passaria a ser:

 

[menu]

menuitem=normal, Boot Normal

menuitem=expand,Boot com Memória Expandida

menudefault=normal,10

[common]

device=c:\dos\himem.sys

dos=high,umb

stacks=9,256

files=40

buffers=20

coutry=055,,c:\dos\coutry.sys

[normal]

device=c:\dos\emm386.exe noems

[expand]

device=c:\dos\emm386.exe RAM

 

O que vai acontecer quando o micro der boot? O sistema operacional irá perceber que há um menu a ser exibido e o apresentará. Tudo o que há na seção [menu] define o menu que será apresentado. No nosso caso, se for escolhida a primeira opção da tela ("Boot Normal"), a seção [normal] será executada. Se for escolhida a segunda opção ("Boot com Memória Expandida"), a seção [expand] é que será executada. Isto é definido através do comando ENUITEM= e as opções são apresentadas na tela na mesma ordem em que estão dispostas no Config.sys. Se o usuário não escolher nenhuma opção dentro de 10 segundos, a seção [normal] será executada. Isto é definido através do comando MENUDEFAULT=.

 

A seção [Common] é executada independentemente de qual opção o usuário escolher durante o boot. Isto poupa tempo, pois você não precisa ficar escrevendo as partes que são iguais das seções que existam.

 

As demais seções são executadas de acordo com a opção escolhida pelo usuário durante o boot.

 

Taí resolvido o problema de quem tem instalado no micro algum joguinho que necessite de memória expandida e não quer ficar perdendo tempo editando o Config.sys para fazê-lo funcionar.

 

BIBLIOGRAFIA

VASCONCELOS, Laércio.(http://www.laercio.com.br).

TORRES, Gabriel. (http://www.gabrieltorres.com.br)